Conheça os tipos diferentes de virtualização

Tempo de leitura: 4 minutos

Um dos princípios das Ciências Econômicas é que os recursos disponíveis são escassos, enquanto as necessidades humanadas são ilimitadas. Pelo fato dessa premissa é que a maioria das empresas busca fazer bom uso dos seus ativos, para gerar maximização das suas receitas.

Nesse momento, entra em cena a TI (Tecnologia da Informação), contribuindo de maneira inteligente no gerenciamento de recursos de todas as áreas da empresa, inclusive da própria área de TI.

No que tange a área de Tecnologia da Informação, a adoção da virtualização é uma das principais estratégias para fazer bom uso dos recursos disponíveis, afinal, essa abordagem utiliza a capacidade ociosa dos equipamentos e cria ambientes com outras aplicações no estilo host => guest (hospedeiro => convidado).

Mas você conhece os principais tipos de virtualização e como funcionam? Fique tranquilo se tem dúvidas! É justamente sobre isso que abordaremos neste artigo! Então, continue esta leitura e saiba mais.

O que é virtualização?
Antes de darmos prosseguimento no tema do artigo, é importante que você compreenda o conceito de virtualização. Esse entendimento facilitará a absorção e interação com o restante do conteúdo que virá logo abaixo.

Virtualização não é uma tecnologia nova, sua origem é datada de 1960. No entanto, apenas a partir do ano 2000 que passou a ser adotada de forma mais ampla.

Essa tecnologia baseia-se no uso de um hardware físico para criar outros sistemas e aplicações com um funcionamento virtual, utilizando os recursos desse hardware físico.

Além disso, é necessário um software que cria e executa essas virtualizações, também conhecido como hipervisor.

A vantagem de utilizar a virtualização é o fato de usar plenamente a capacidade dos hardwares, criando outros ambientes de maneira virtual, evitando os desembolsos financeiros para a compra de novos equipamentos.

Além disso, haverá uma economia na contratação de profissionais de TI, onde os ambientes virtuais podem e devem ser monitorados pelos mesmos colaboradores que gerenciam os equipamentos físicos (host).

Quais são os principais tipos de virtualização?
Agora que você já conhece o que é e como funciona um ambiente de virtualização, chegou o momento de conhecer os seus diferentes tipos, onde cada um tem seus propósitos e finalidades:

Virtualização de servidores
Esse é o tipo de virtualização mais utilizado, onde um único servidor é dividido em outros servidores virtuais, aos quais podem ser segmentados de acordo com a sua tarefa e finalidade.

Assim, um servidor real pode abrigar de maneira virtualizada os servidores de:

– E-mail;

– Arquivos;

– Impressão;

– Banco de dados;

– E demais processos que forem necessários.

Virtualização de rede
A virtualização de rede usa os recursos disponíveis em uma rede física para dividir a largura de banda em canais diferentes e virtualizados. Essa prática de virtualização é muito empregada com o objetivo de proteger os dados que trafegam pelas redes de maneira separada.

Além de aumentar a segurança de dados, o uso da virtualização de rede ajuda a melhorar a velocidade de tráfego de dados, bem como torna mais prático o seu processo de gerenciamento pelos administradores de TI.

Virtualização de armazenamento
A virtualização de armazenamento consiste em utilizar um software para encontrar espaço físico de armazenamento em dispositivos diferentes e agrupá-los de maneira virtual em um único dispositivo.

Isso permite um melhor aproveitamento dos recursos de armazenamento, onde tudo ocorre de maneira instantânea e conforme a demanda.

Essa prática é muito utilizada em data center, onde os dispositivos de armazenamento estão espalhados por diversos servidores.

Virtualização de desktops
Um outro tipo de virtualização é a de desktops, que funciona como se a estação de trabalho seja um terminal, ou seja, o acesso ao sistema operacional e demais softwares são acessados de maneira remota, onde esses estão instalados em um servidor.

Nessa modalidade de virtualização, é adotado um conceito chamado de BYOD (Bring Your Own Device ou Traga Seu Próprio Dispositivo), em que o acesso às estações de trabalho é feito a partir de qualquer dispositivo, onde o usuário pode acessar o ambiente corporativo a partir de seu computador, tablet ou smartphone.

Virtualização de aplicativos
A virtualização de aplicativos tem um funcionamento muito semelhante à virtualização de desktop, principalmente, tendo em vista que é comum que certas aplicações funcionem em sistemas operacionais e plataformas diferentes.

Nesse contexto, para evitar ter de comprar vários equipamentos que suportem cada um dos aplicativos é executada a sua virtualização.

Outra vantagem da virtualização de aplicativos é o acesso remoto, o que possibilita ao usuário acessar a aplicação onde quer que esteja, sem a necessidade de instalação no seu dispositivo local de acesso.

Como você pode perceber a virtualização apresenta vários tipos e aplicações, além de ser capaz de gerar muitos benefícios operacionais, financeiros e de pleno uso dos ativos de TI das organizações.

Gostou do tema que abordamos? Então, compartilhe conosco suas experiências e opiniões! Aproveite para acessar o site e conhecer os nossos produtos e serviços.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *